info@oftalmocenter.pt 253 439 500

Exames

Campos Visuais ou PEC (Perimetria Estática Computorizada)

Ecografia ou ultrassonografia ocular

Biometria ocular

Paquimetria Ultrassónica

OCT – Tomografia de Coerência Ótica

Retinografia Digital Colorida

Refração Computadorizada ou Autorrefração

Queratometria Computorizada

Fotografía do Segmento Anterior

Curva Tensional diária

Ecran d’Hess

Teste de Visão de Cores

Gonioscopia

Mapeamento da retina – Oftalmoscopia indireta

Teste de Schirmer

Teste Ortóptico

Tonometria computorizada e de Aplanação

Teste de Sobrecarga Hídrica (Teste de Prova D’Água)

Teste de Sensibilidade ao Contraste

Teste da Grelha de Amsler

Teste de Adaptação de Lentes de Contacto

Teste de Lang

Teste de Teller

Campos Visuais ou PEC (Perimetria Estática Computorizada)

O que é o exame dos campos visuais?
Perimetria Estática Computorizada

A PEC é um exame oftalmológico que permite avaliar a perceção visual central e periférica, identificando qualquer alteração ou redução do campo de visão (o que, na maioria das vezes, é impercetível para o paciente). Além de detetar possíveis alterações nos campos visuais, permite, ainda, quantificar essas mesmas alterações e compará-las em futuras avaliações.
Este exame é realizado com um aparelho chamado Campímetro.

O estudo dos campos visuais permite diagnosticar doenças, avaliar a sua progressão ou ainda verificar a eficácia de alguns tratamentos.

Quando são pedidos campos visuais?

O seu oftalmologista poderá solicitar este exame no caso de:

  • referir queixas persistentes de dores de cabeça
  • ter enxaquecas
  • duma diminuição da visão sem causa aparente
  • ter tensão ocular aumentada
  • ter familiares com glaucoma
  • ter queixas de dificuldade de visão noturna
  • ter dificuldade em ler por motivos que não são a falta de óculos
  • ter dificuldade na visão lateral
  • ter dores á mobilidade do globo ocular
  • encontrar alterações durante o seu exame oftalmológico

As principais doenças oculares em que este exame está indicado são:

  • as doenças do nervo ótico (como o glaucoma, as nevrites, os problemas vasculares, etc )
  • as doenças da retina (como a retinite pigmentar, doença de Stargardt ou outras distrofias e degenerescências da retina)
  • as alterações neurológicas (como as doenças desmielinizantes, doenças que afetam o quiasma ótico, situações de
  • hipertensão intracraniana, os AVCs, hemorragias cerebrais, traumatismos, etc)
  • os tumores (como os tumores orbitários ou cerebrais)
  • utilização de alguns medicamentos (como medicamentos usados para certas doenças reumatológicas, para o tratamento do paludismo, etc)
  • intoxicações (intoxicação por metanol, com metais pesados, medicamentos, etc)

Como é realizado este exame?

O campo visual é realizado por um técnico numa sala com diminuição de luminosidade. O paciente fica corretamente posicionado em frente a um equipamento que tem uma cúpula e que mostrará pontos de luz com várias intensidades em diversos lugares dessa cúpula. O paciente vai acionar uma campainha que terá na sua mão em resposta ao estímulo percebido. Durante o exame é importante que não haja movimentação ocular e, para isso, o paciente verá uma luz de fixação dentro do aparelho.
O exame depende exclusivamente das respostas dadas pelo paciente e, por isso, é necessário atenção durante o procedimento para que o exame fique o mais confiável possível.

Ecografia ou ultrassonografia ocular

O que é uma ecografia ocular?
Ultrasonografia
A ecografia ocular é um exame oftalmológico que permite fazer uma avaliação das estruturas internas do globo ocular e da cavidade orbitária através da utilização de ultrassons.
Este exame é realizado com um aparelho chamado Ecógrafo.

Embora este exame esteja indicado num conjunto variado de situações, ele é particularmente útil nos casos em que não é possível visualizar o interior do seu globo ocular ou no caso de tumores que surgem em redor do globo ocular.
Este exame pode ser uma preciosa ajuda no diagnóstico de diversas doenças, bem como na medição das lesões encontradas.

Quando é pedida uma ecografia ocular?

O seu oftalmologista poderá solicitar uma ecografia ocular no caso de:

  • perdas bruscas de visão em que não se vê o interior do olho
  • traumatismos oculares
  • ir ser submetido(a) uma intervenção cirúrgica para um adequado estudo pré-operatório
  • ter um olho mais saliente do que o outro
  • referir que lhe entrou um corpo estranho para o olho
  • ter dores á mobilidade do globo ocular
  • o seu oftalmologista encontrar alterações que precisam de esclarecimento pela ecografia

As principais situações em que este exame está indicado são:

  • o estudo de estruturas oculares como o vítreo, a retina, a coróide ou a parede ocular, sempre que existe opacidade dos meios
  • os casos de cataratas muito evoluídas
  • os casos de aderências da pupila que não permitem dilatação
  • os casos de descolamento de retina
  • as hemorragias intra-oculares
  • as inflamações ou infeções intra-oculares
  • o estudo pré-operatório ou pós-operatório
  • a localização de corpos estranhos intraoculares ou orbitários
  • o diagnóstico malformações oculares (anoftalmia, coloboma, microftalmia, persistência do vítreo primário hiperplástico)
  • os tumores oculares ou orbitários
  • as exoftalmias
  • a avaliação dos músculos extra-oculares, da gordura retrobulbar, de alterações do nervo ótico ou dos vasos sanguíneos retrobulbares (varizes, dilatações e aneurismáticas)
  • a avaliação de lesões que seja importante dimensionar

Como é realizado este exame?

A ecografia ocular não necessita de qualquer preparação prévia do paciente e é realizada sempre pelo oftalmologista. É um exame indolor, sendo apenas necessário o contacto da sonda com as pálpebras através de um gel condutor. Não é necessário suspender medicamentos ou colírios em uso. Pode ser realizado em crianças, em bebés e em recém-nascidos, sem contraindicação.

Biometria ocular

O que é a biometria ocular?
Biometria Ocular
A biometria ocular é um exame oftalmológico que é utilizado para fazer medidas do globo ocular que permitem fornecer dados que são utilizados para o estudo pré-operatório de diversas cirurgias oculares. A situação mais frequente em que a biometria é utilizada é no cálculo da lente intraocular que será implantada durante a cirurgia da catarata.
Este exame é realizado por um técnico que utiliza um aparelho chamado Biómetro.

Quando é pedida uma biometria ocular?

O seu oftalmologista irá solicitar este exame:

  • no caso de uma intervenção cirúrgica a cataratas
  • no caso de uma intervenção cirúrgica a miopia
  • para um adequado estudo pré-operatório noutro tipo de cirurgias

As principais situações em que este exame está indicado são:

  • para o cálculo da potência da lente intraocular para a cirurgia da catarata
  • para avaliar a possibilidade da colocação de lente hipernegativa na câmara anterior (no caso de miopias elevadas)
  • para a recolha de medidas de estruturas oculares
  • para coadjuvar a ecografia B no estudo de doenças oculares

Como é realizado este exame?

A biometria ocular não necessita de qualquer preparação prévia do paciente. As lentes de contacto devem ser retiradas antes do exame no caso de serem usadas pelo paciente. Para a realização da biometria é apenas necessária a instilação de uma gota de colírio anestésico. De seguida o paciente fixa o olhar num ponto determinado pelo técnico para que sejam feitas as medidas com uma sonda ultrassónica.
A sonda contacta com a córnea que se encontra anestesiada pelo que é um procedimento indolor. Não é necessário suspender medicamentos ou colírios em uso. Pode ser realizado em crianças, em bebés e em recém-nascidos, sem contraindicação.

Paquimetria Ultrassónica

O que é uma paquimetria ?
Paquimetria Ultrassónica
A paquimetria ultrassónica é um exame oftalmológico que mede, através de ultrassons, a espessura corneana. Uma córnea sadia e em perfeito estado funcional apresenta-se dentro de uma faixa de espessura normal. Quando há presença de patologias na córnea, ela pode apresentar-se espessada ou com uma espessura mais fina que o normal.
Este exame é realizado um técnico que utiliza um aparelho chamado Paquímetro.

Quando é pedido este exame?

O seu oftalmologista poderá solicitar uma paquimetria:

  • em casos de aumento da tensão ocular
  • em alterações da visão que não se corrigem adequadamente com óculos
  • no caso de uma intervenção cirúrgica à miopia
  • para um adequado estudo pré-operatório noutro tipo de cirurgias

As principais situações em que este exame está indicado são:

  • em casos de suspeita de glaucoma
  • em casos de suspeita de queratocone
  • em alterações do nervo ótico do tipo glaucomatoso, especialmente em olhos míopes
  • em estudos pré-operatórios da cirurgia da miopia
  • para diagnóstico e acompanhamento de diversas patologias da córnea como ectasias corneanas, distrofias corneanas, cicatrizes e opacidades da córnea, etc.
  • para adaptação de algumas lentes de contato
  • em traumatismos corneanos
  • no caso de suspeita de edema corneano

Como é realizado este exame?

A paquimetria ultrassónica não necessita de qualquer preparação prévia do paciente. As lentes de contacto devem ser retiradas antes do exame no caso de serem usadas pelo paciente. Para a realização da paquimetria é apenas necessária a instilação de uma gota de colírio anestésico. De seguida, o paciente fixa o olhar num ponto determinado pelo médico para que sejam feitas as medidas com uma sonda ultrassónica. A sonda contacta com a córnea que se encontra anestesiada pelo que é um procedimento indolor. Não é necessário suspender medicamentos ou colírios em uso. Pode ser realizado em crianças, em bebés e em recém-nascidos, sem contraindicação.

OCT – Tomografia de Coerência Ótica

O que é um OCT?
Tomografia de coerência ótica
O OCT é um exame que produz imagens em corte das estruturas oculares com alta resolução, especialmente da retina e do nervo óptico. É um dos exames mais modernos e, no momento, o único método não invasivo capaz de diferenciar as diversas camadas da retina, possibilitando, assim, a realização de medidas precisas da sua espessura ou de lesões existentes nas suas camadas.

A área central da retina, chamada mácula, é onde há a maior clareza e definição de imagem devido ao alto número de células encontradas nessa região. Devido à complexidade e importância dessa estrutura, o avanço tecnológico dos aparelhos oftalmológicos tornou-se necessário, surgindo, então, a tomografia de coerência ótica – OCT.

Por esse motivo, a Oftalmocenter possui um dos mais modernos aparelhos diagnósticos em retina e vítreo, o OCT – SLO, que realiza cortes seccionais da retina (como se fosse uma TAC mas sem usar radiações), possibilitando a visualização das estruturas da retina em 3-D.

O OCT contém um software com um banco de dados normativos que possibilita a análise estatística para o estudo da retina e do glaucoma. O programa, com base na população normal da mesma idade, aponta as possíveis regiões suspeitas de alterações estruturais, sem defeito de campo visual, nos casos incipientes de glaucoma.

Desta forma, com o aumento da precisão diagnóstica, este exame tornou-se numa ferramenta indispensável para check-up e diagnóstico de diversas doenças oculares, em especial o glaucoma e as doenças retinianas.

Quando é pedido um OCT?

O seu oftalmologista poderá solicitar um OCT no caso de:

  • perdas de visão ou visão enevoada
  • traumatismos oculares
  • ser diabético
  • ter hipertensão ocular ou alterações suspeitas de glaucoma
  • sofrer de glaucoma
  • ter dificuldade na leitura por razões que não são a falta de óculos
  • o seu oftalmologista encontrar alterações que precisam de esclarecimento pelo OCT

As principais situações em que o OCT está indicado são:

  • degenerescência macular relacionada com a idade
  • coriorretinopatia serosa central
  • diagnóstico e classificação do buraco macular
  • edema macular
  • membrana epirretiniana
  • uveítes e tração vítreo-macular
  • descolamento de retina
  • avaliação da circulação da retina e da coróide
  • avaliação do paciente com suspeita de glaucoma (de forma a favorecer um diagnóstico mais precoce desta patologia)
  • para avaliar a evolução do glaucoma ou outras doenças que atinjam o nervo ótico
  • em casos de descolamento de retina
  • inflamações ou infeções intra-oculares
  • estudo pré-operatório ou pós-operatório
  • tumores intra-oculares
  • retinopatia diabética
  • patologia vascular da retina como tromboses ou embolias
  • em patologias com edema macular onde a retina se encontra espessada com presença de líquido na região central, é possível quantificar a espessura da retina, bem como compará-la a exames realizados noutras datas, oferecendo mais informações quanto à eficácia do tratamento adotado. É de extrema importância em pacientes que são candidatos ou que já foram submetidos à injeção intravítrea, para se estabelecer a eficácia ou a necessidade de procedimentos futuros
  • na Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) é útil a avaliação de drusas, extensão das cicatrizes, o tipo de atrofia e membranas neovasculares.

Como é realizado este exame?

Para a realização de um OCT é, normalmente, usado um colírio alguns minutos antes do exame, para a dilatação da pupila, permitindo, assim, uma melhor qualidade do exame. Não é necessária qualquer outra preparação prévia do paciente. É um exame indolor, sem qualquer risco para o paciente, sendo apenas pedido ao mesmo para fixar um ponto.
A pupila manter-se-á dilatada por algumas horas após o exame, podendo ocasionar um pequeno incómodo com a luminosidade, ou na visão para perto, pelo que o paciente deverá ir acompanhado e evitar a condução de veículos. Estes efeitos são, no entanto, temporários e inócuos.
Os utilizadores de lentes de contato devem suspender o uso das mesmas no dia do exame.
Não é necessário suspender medicamentos ou colírios em uso. Pode ser realizado em crianças sem contraindicação.

A par deste equipamento, é de referir que a Oftalmocenter conta, no seu corpo clínico, com a Drª Susana Penas, médica oftalmologista que possui uma larga experiência na análise e interpretação das imagens do OCT, sendo uma referência a nível nacional e internacional nesta área da oftalmologia.

Retinografia Digital Colorida

O que é uma retinografia digital?
Retinografia Digital Colorida
Consiste na realização de diversas fotografias do fundo do olho. Trata-se da aquisição de fotografias digitais de alta definição e sensibilidade das pequeninas estruturas oculares existentes no interior do globo ocular. É realizado por um equipamento denominado Retinógrafo.

Quando é pedida uma retinografia?

A retinografia permite a documentação e o registo das alterações que podem surgir nas diversas estruturas oculares como a retina, a mácula, o nervo ótico ou os vasos sanguíneos. É também um exame fundamental no acompanhamento de doenças progressivas da visão.

O seu oftalmologista poderá solicitar uma retinografia no caso de:

  • ter antecedentes familiares de doenças oculares
  • ser diabético
  • sofrer de hipertensão arterial
  • ter tido alterações da visão por doenças visíveis no fundo ocular
  • ter uma miopia elevada
  • ser indicado vigiar o aspeto do fundo ocular por diversas situações clínicas

As principais situações em que a retinografia poderá ser solicitada são:

  • Retinopatia diabética
  • Degenerescência macular da idade
  • Glaucoma
  • Descolamento de Retina
  • Doenças do Nervo Ótico
  • Toxicidade medicamentosa
  • Distrofias Retinianas
  • Retinopatia Serosa Central
  • Uveítes/Coroidites
  • Traumatismos oculares
  • Oclusões Venosas e Arteriais
  • Baixa da Acuidade Visual sem causa aparente

Como é realizada uma retinografia?

Antes de iniciar a retinografia é necessário dilatar a pupila com a aplicação de gotas nos olhos, permitindo, assim, uma melhor qualidade do exame. Durante o exame são feitas fotografias repetidas do fundo de olho com uso de flash, o que pode causar um pequeno desconforto momentâneo.
É um exame indolor e sem qualquer risco para o paciente, sendo apenas pedido ao mesmo para fixar um ponto.
A pupila manter-se-á dilatada por algumas horas após o exame podendo ocasionar um pequeno incómodo com a luminosidade ou na visão para perto pelo que o paciente deverá ir acompanhado e evitar a condução de veículos. Estes efeitos são no entanto temporários e inócuos.
Os utilizadores de lentes de contato devem suspender o uso das mesmas no dia do exame.
Não é necessário suspender medicamentos ou colírios em uso. Pode ser realizado em crianças sem contraindicação.

Refração Computadorizada ou Autorrefração

O que é uma autorrefração?
Refração Computorizada
A refração computorizada é um método automático de avaliação da refração (graduação ou erro refrativo) do olho. É particularmente útil na presença de graduações elevadas (miopias, hipermetropias e astigmatismos mais fortes), de córneas irregulares, de queratocones e em crianças. Os dados obtidos são sempre validados pelo oftalmologista pois, nos erros refrativos mais pequenos, e particularmente em crianças, os resultados podem não representar a verdadeira necessidade do olho. É, no entanto uma informação preciosa, quando analisada pelo oftalmologista.

O exame da autorrefração é, normalmente, realizado por um técnico antes da entrada do paciente no consultório.

Queratometria Computorizada

O que é uma queratometria?
Queratometria Computorizada
A queratometria é um exame realizado por um equipamento computorizado que mede a curvatura da superfície corneana.
Esta avaliação é importante para diversas situações clínicas tais como:
a adaptação de algumas lentes de contacto
o cálculo da lente intraocular a ser implantada durante a cirurgia da catarata, fornecendo dados que são utilizados em associação com a biometria
o fornecimento de valores que são também necessários em diversos outros tipos de cirurgias refrativas tais como a cirurgia da miopia.
É um exame completamente indolor, pois basta fixar uma pequena luz. Por vezes, é feito em associação com a autorrefração antes do paciente entrar no consultório médico.

Fotografia do Segmento Anterior
Curva Tensional diária
Ecran d’Hess
Teste de Visão de Cores
Gonioscopia
Mapeamento da retina – Oftalmoscopia indireta
Teste de Schirmer
Teste Ortóptico
Tonometria computorizada e de Aplanação
Teste de Sobrecarga Hídrica (Teste de Prova D’Água)
Teste de Sensibilidade ao Contraste
Teste da Grelha de Amsler
Teste de Adaptação de Lentes de Contacto
Teste de Lang
Teste de Teller